Brasil Principais Notícias

Dependência química é doença e tem tratamento

Rede Ebserh conta com hospitais universitários que oferecem atendimento especializado e gratuito para vício em álcool e drogas

A dependência em drogas lícitas ou ilícitas é considerada uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e traz males para o organismo e para toda a sociedade. O consumo a longo prazo é associado a mais de 200 problemas de saúde e ainda é fator de risco relevante para violência e acidentes rodoviários. Para alertar e conscientizar a população, foi instituído o Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo, celebrado em todo o país no dia 20 de fevereiro . A Rede Ebserh conta com hospitais universitários que oferecem atendimento especializado e 100% gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para dependência química. 

De acordo com dados d o Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), de 2023, entre os principais agravos à saúde relacionados especificamente ao álcool , que levam a internações no Brasil , estão acidentes de trânsito (22,60%), outras lesões não-intencionais (16,60%), queda (13,70%), transtornos mentais e comportamentais (12%). Já segundo o Relatório Mundial sobre Drogas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), divulgado a cada década, estima-se que cerca de 284 milhões de pessoas n o mundo , entre 15 e 64 anos, a maioria homens, usaram alguma droga em 2020 . Is s o é aproximadamente o equivalente a 1 a cada 18 pessoas nessa faixa etária e representa um aumento de 26% em relação a 2010, ano em que o número estimado de pessoas que usa ra m drogas foi de 226 milhões. 

A médica Maria da Penha Zago Gomes , coordenadora d o Ambulatório de Alcoolismo do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes , da Universidade Federal do Espírito Santo ( Hucam -Ufes ) , explica que a d ependência ao álcool e à s drogas ilícitas é considera da doença desde a década de 1970, quando foi publicado o Código Internacional das Doenças – 9ª edição (CID-9 ), e depois reafirmada no CID-10 – na classificação de F10 até F19. “ Alcoolismo não é uma escolha, é uma doença, ocorre em cerca de 10% da população adulta e é uma enfermidade heterogênea, sendo importante identificar a causa ”, afirmou. 

Para que o diagnóstico seja realizado, é preciso que três ou mais dos seguintes sintomas estejam presentes : fo rte desejo de consumir o álcool ou a droga; d ificuldade de controlar o início e término do consumo; s inais de síndrome de abstinência; d esenvolvimento de tolerância ; p razer apenas no uso do álcool ou da droga; p ersistência n o uso do álcool ou da droga, a despeito de consequências nocivas. 

Maria da Penha alerta para as complicações cl í nicas do vício no organismo, que são graves e podem levar à morte . “P rincipalmente cirrose hepática ; pancreatite crônica ; miocardiopatia alcoólica ; polineuropatia periférica ; demência alcoólica ; impotência sexual ; infertilidade ; neuropatia do nervo óptico (levando a cegueira) ; risco aumentado a neoplasias ; dentre outras ”, exemplificou. Ademais, pessoas que fazem uso regular de drogas têm mais riscos de desenvolver doenças mentais, como a depressão, os transtornos de ansiedade e até cometer ato suicida. 

Tratamento 

O SUS garante o atendimento e o acompanhamento de qualquer pessoa, em qualquer idade, com algum tipo de dependência química . O tratamento é disponibilizado nas Unidades Básicas de Saúde, nos Centros de Atenção Psicossocial ( CAPS ) e nas unidades especializadas, como é o caso do Ambulatório de Alcoolismo do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes/UFES , em Vitória (ES) e do A mbulatório de D ependências Q uímicas do Hospital das Clínicas da UFMG /Ebserh , em Belo Horizonte (MG) . 

Na capital mineira, o serviço é porta aberta, ou seja, não é preciso encaminhamento médico. O próprio dependente químico ou um familiar podem agendar uma consulta diretamente na secretaria . Os atendimentos acontecem às segundas – feiras , no prédio do Ambulatório Bias Forte , um dos anexos do HC-UFMG , localizado no bairro Santa Efigênia . 

O coordenador do Ambulatório, o psiquiatra e pesquisador Frederico Garcia, explica que o tratamento t e m várias etapas. “ O objetivo é que a pessoa recupere sua liberdade e reconstrua uma vida dentro do que considera bom para si. Assim, o tratamento é feito empregando uma avaliação multidisciplinar , que pode compreender o uso de medicações, psicoterapia e suporte social. Além disso, algumas pessoas, eventualmente , podem necessitar de uma internação breve para a realização do tratamento de abstinência. A ideia é que todo es s e processo aconteça da forma mais confortável, segura e baseada nas melhores evidências científicas ”, afirmou . 

Inovação 

O médico é o nome à frente de uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que pode resultar na primeira vacina latino-americana antidroga. I ntitulad o Calixcoca , projeto já passou por etapas pré-clínicas, em que foram constatadas segurança e eficácia para tratamento do vício em cocaína e crack. 

O medicamento induz o sistema imune a produzir anticorpos que se ligam à cocaína na corrente sanguínea, transformando a droga em uma molécula grande, que não passa pela barreira hematoencefálica. “Demonstramos a redução dos efeitos, o que sugere eficácia no tratamento da dependência. Pensamos em utilizar o fármaco para evitar recaídas em pacientes que estão em tratamento, dando mais tempo para eles reconstruírem sua vida sem a droga”, explicou o pesquisador. 

Em outubro do ano passado, a pesquisa venceu o Prêmio Euro Inovação na Saúde, superando outras 11 iniciativas inovadoras no campo da saúde. 

Sobre a Ebserh 

Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Ebserh foi criada em 2011 e, atualmente, administra 41 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência. Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) ao mesmo tempo que apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas e inovação. 

Por: Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh)

COMPARTILHAR

Related posts

Réveillon no Rio terá 12 minutos de fogos em Copacabana e 12 palcos

Redação

Posto de gasolina é autuado por desvio de energia em Manaus

Redação

Palácio Rio Negro e Povos da Amazônia serão abertos para visitação nesta sexta-feira (17/07)

Redação

Deixe um comentário