Brasil Principais Notícias

Três novas rádios comunitárias recebem autorização do MCom

Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul foram contempladas. Além disso, mais quatro emissoras tiveram renovações publicadas no Diário Oficial da União

Entidades e associações de Santa Tereza (RS), Inhacorá (RS) e Mogi das Cruzes (SP) receberam autorização do Ministério das Comunicações (MCom) para prestarem o serviço de radiodifusão comunitária. As outorgas foram publicadas nesta semana no Diário Oficial da União (DOU).

Para Inhacorá (RS), o MCom liberou o canal 285, com a frequência é de 104,9 MHz. Para Santa Tereza (RS) e Mogi das Cruzes (SP), o canal será o 198, com a frequência 87,5 MHz. Juntas, as três cidades somam mais de 455 mil habitantes que poderão ser ser alcançados pelas novas programações.

A execução do serviço em caráter definitivo deve ser iniciada no prazo de seis meses, contado da data de publicação da deliberação do Congresso sobre a outorga. Poderá ser expedida autorização de operação provisória até que seja apreciada a autorização. As outorgas são válidas por dez anos, sem direito de exclusividade.

RENOVAÇÕES – O Ministério das Comunicações também renovou, por dez anos, duas concessões outorgadas a rádios comunitárias. Elas executam o serviço em Felipe Guerra (RN) e em David Canabarro (RS). A entidade poderá operar sem direito de exclusividade.

Outras duas renovações para Cachoeiro do Itapemirim (ES) e Timbó (SC) são para executar o serviço de radiodifusão sonora em onda média (OM), posteriormente adaptado para o serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada (FM).

Os atos têm efeitos legais somente após a deliberação do Congresso Nacional, nos termos do artigo 223 da Constituição Federal.

Texto: ASCOM – Ministério das Comunicações – Foto: Pablo Le Roy/MCom

COMPARTILHAR

Related posts

Marcia Novo será atração musical no lançamento do projeto ‘Nossa Terra’ da ADS, no dia 21 de dezembro

Redação

Polícia Federal deflagra operação contra fraudes no sistema do Fies

Redação

Pandemia de Aids pode acabar até 2030, diz Unaids

Redação

Deixe um comentário