Brasil Entretenimento Principais Notícias

Festival 3i volta de forma presencial no Rio de Janeiro

Evento será realizado de 5 a 7 de maio

O Rio de Janeiro recebe, em maio, o Festival 3i, no formato presencial e em versão mais enxuta, em que o foco são os temas do empreendedorismo, da sustentabilidade do jornalismo, da inovação. “A gente quer trazer cases de sucesso de produtos jornalísticos que estão sendo feitos no país e da relação com a tecnologia. Por isso, estamos trazendo a discussão tanto da regulação das plataformas [digitais], a relação que o jornalismo tem com as big techs [grandes empresas de tecnologia], como também a relação da inteligência artificial (IA) e do impacto que ela pode ter no jornalismo e no debate público também”, disse a diretora executiva da Associação de Jornalismo Digital (Ajor), Maia Fortes.

Considerado um dos principais eventos de jornalismo e empreendedorismo da América Latina, o Festival 3i terá sua quarta edição nacional entre 5 e 7 de maio, na Casa da Glória, no Rio de Janeiro.

Os organizadores do evento querem trazer o lema do Festival 3i, formado por inovação, independência e inspiração, para o jornalismo no Brasil e no mundo. Durante a pandemia da covid-19, o festival teve edições online. No início do ano passado, aconteceu uma edição gratuita e estendida, envolvendo dez dias de eventos, com três mesas de debates a cada dia.

“Foi um marco inicial para a construção da nova edição que, a partir de agora, tem como responsável pela organização a Ajor”, disse Maia Fortes. “A ideia era conseguir elencar temáticas que a gente entendia que eram relevantes naquele momento, para o jornalismo”.

Inscrições

O festival reúne mais de 40 profissionais da América Latina e do mundo para participar dos debates. Os ingressos para o Festival 3i estão à venda pelo Sympla. O passaporte para os três dias do evento tem custo de R$ 250 a entrada inteira e R$ 125 meia entrada. Caso queira adquirir o ingresso por dia, o valor é R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia entrada). Os participantes receberão certificado. As inscrições para as oficinas já estão abertas e podem ser feitas na página do festival.

O diretor-geral da Fundação Gabo, Jaime Abello, é o convidado de honra do festival e fará uma palestra no primeiro dia do evento. A Fundação Gabo foi fundada pelo escritor Gabriel García Márquez com a missão de promover um jornalismo melhor e estimular a criatividade, com ênfase no método de seminários e oficinas. “A gente entende que a própria fundação cumpre o papel de disseminar esse conceito, essa concepção, para toda a América Latina, há bastante tempo, e ela tem sido uma referência na produção de conhecimento, seja pesquisas ou workshops relacionados ao jornalismo digital, eles estão sempre à frente dessa perspectiva”, disse Maia.

Regulação

Na discussão da regulação das plataformas digitais, virão representantes do Canadá e da Europa, que estão debatendo o tema no momento atual, assim como o Brasil. Participam da mesa o canadense Taylor Owen, diretor fundador do Centro de Mídia, Tecnologia e Democracia da Universidade McGill; o dinamarquês Iacob Gammeltoft, gerente de Políticas da NewsMedia Europe; Francisco Brito Cruz, diretor executivo da InternetLab; e o deputado federal Orlando Silva (PCdoB/SP), relator do Projeto de Lei nº 2630/2020, o PL das Fake News, que estabelece normas para redes sociais e aplicativos de mensagens a fim de promover mais transparência, combater as notícias falsas e criar mecanismos de remuneração do jornalismo.

Os impactos da inteligência artificial no jornalismo e no debate público serão assunto de debate no Festival 3i, reunindo nomes como Jonathan Stray, do Center for Human Compatible AI, na Universidade da Califórnia, em Berkeley, Estados Unidos; Florencia Coelho, cofundadora da equipe La Nación Data, na Argentina; e o sul-africano Tshepo Tshabalala, gerente do Journalism AI, projeto de pesquisa e treinamento da London School of Economics and Political Science (LSE).

Periferia

Maia Fortes informou também que o Festival 3i terá uma mesa focada no jornalismo periférico. “É importante discutir o papel que cumprem essas organizações que estão no território e, muitas vezes, acabam sendo referência para os veículos maiores produzirem pautas relacionadas a esses territórios”, disse.

Uma parte mais transversal da programação do evento visa olhar como os empreendedores de jornalismo conseguem se estruturar e criar organizações que tenham mais segurança institucional. “A gente vai ter mesas debatendo novas fontes de financiamento, relação com a audiência, porque entendemos que o público está no centro do jornalismo. Teremos outra mesa sobre a possível criação de fundos jornalísticos no Brasil e no mundo”, disse.

Nessas mesas estão confirmadas as participações de Atila Iamarino, biólogo e divulgador científico; Branca Vianna, fundadora e produtora da Rádio Novello; jornalista e colunista Tiago Rogero, vencedor do Prêmio Vladimir Herzog 2020 pelo projeto Querino, podcast com olhar afrocentrado sobre a história do Brasil; a mexicana Alejandra Higareda, fundadora da revista Malvestida, que trabalha a temática feminina de forma moderna e inclusiva; e a atriz e jornalista Ademara Barros.

O Festival 3i é uma realização da Associação de Jornalismo Digital (Ajor). Esta edição conta com patrocínio de Google, Meta, Luminate, TikTok, Fundação Tide Setubal e Clua (Climate and Land Use Alliance); apoio de Ford Foundation e Oak Foundation; e produção da Cardápio de Ideias Comunicação e Eventos.

Fundada em 3 de maio de 2021, Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, a Ajor vai comemorar, durante o festival, dois anos de existência. A entidade representa mais de 100 organizações brasileiras de jornalismo digital e trabalha para fortalecê-las institucionalmente.

Publicado por Agencia Brasil

COMPARTILHAR

Related posts

RICK NOGUEIRA LANÇAM QUARTO EP DE “RESENHA DOS LOKOS 2”

Redação

GDF limita em 30 mil público que acompanhará posse de Lula

Redação

PF faz buscas por “possível financiador” de atos em 8 de janeiro

Redação

Deixe um comentário