Brasil Principais Notícias

Estudos vão avaliar concentração de gás radônio em municípios do Amapá

Serão instalados detectores em cinco cidades para identificar a concentração da substância, que é o maior fator de risco para câncer de pulmão em não fumantes

Estudos para identificar a concentração de gás radônio avançam no País com as ações do Programa Risco de Radônio no Brasil, desenvolvido pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB) – empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME). O objetivo dessa iniciativa é medir o risco de contaminação por radônio e gerar dados técnicos que contribuam para a prevenção do câncer de pulmão.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o radônio é um elemento radioativo considerado o segundo maior fator de risco para câncer de pulmão após o tabagismo e o principal fator em não fumantes. Originado do Urânio e do Tório, o radônio está presente na água, em rochas e no solo, podendo se concentrar em ambientes fechados e representar um risco à saúde.

O SGB já realizou, desde 2021, estudos nos municípios de Butiá e São Jerônimo (RS), Caçador (SC), Carambeí (PR), Carmo da Mata e Belo Vale (MG), Bom Jesus da Lapa e Riacho de Santana (BA), Manaus e Presidente Figueiredo (AM). Neste ano, em parceria com o Instituto de Radioproteção e Dosimetria da Comissão Nacional de Energia Nuclear (IRD/CNEN) serão instalados detectores em casas dos municípios de Macapá, Ferreira Gomes, Porto Grande, Santana e Serra do Navio, no Amapá.

Com os resultados, o SGB contribui para um estudo nacional que tem a finalidade de mapear áreas com maior risco de exposição ao radônio no país e subsidiar políticas públicas de prevenção ao câncer de pulmão, conforme explica o pesquisador do Centro de Geociências Aplicada (CGA) e coordenador do Programa, Oderson Souza.

“Os mapas de exposição ao radônio e as informações epidemiológicas são uma das ferramentas que auxiliarão no planejamento assertivo das políticas de prevenção do câncer de pulmão causados pelo radônio e planos de mitigação das residências. Visto que não se dispõe de uma estimativa da patologia induzida pelo radônio, o programa tem potencial para evitar que centenas de brasileiros sejam vitimados pela doença”, destacou o coordenador.

Os dados também auxiliam na elaboração de normativas de construção civil para evitar concentração de radônio em áreas de risco e desenvolver condutas para diminuição de concentrações em residências. Isso porque algumas matérias-primas (como fosfogesso, argila e pedras ornamentais) podem conter elementos como urânio e, portanto, exalar o radônio para dentro dos ambientes fechados, esclareceu o coordenador.

Ação no Amapá

Em janeiro, pesquisadores Oderson Souza e Marcela de Lima do Centro de Geociências Aplicadas (CGA) do SGB visitaram os municípios de Macapá, Ferreira Gomes, Porto Grande, Santana e Serra do Navio para apresentar aos gestores da Vigilância em Saúde a proposta de avaliação da exposição à radiação no solo e a medição da concentração de gás radônio em residências.

“O objetivo do projeto no Amapá é avaliar a exposição ao radônio em residências representativas das condições climáticas e de solos da região amazônica”, explica o pesquisador Oderson Souza. A proposta do SGB será submetida aos Comitês de Ética em Pesquisa do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA).

Após a aprovação, serão instalados – e mantidos por seis meses – 160 detectores passivos de radônio em 80 residências pré-selecionadas, em bairros escolhidos conforme a setorização censitária do IBGE e a geologia de superfície. Os pesquisadores também analisaram os dados aerogamaespectrométricos de concentração de urânio e de contagem total no solo.

Os detectores para medição da concentração de radônio foram fornecidos, sem custos para o projeto, pelo Laboratório de Radônio do Instituto de Radioproteção e Dosimetria da Comissão Nacional de Energia Nuclear (IRD/CNEN). A revelação dos dados dos equipamentos será realizada no Laboratório do IRD. Após a análise, serão geradas informações sobre as áreas com maior risco para radônio, que deverão ser monitoradas e indicadas as práticas de mitigação.

Além da instalação dos detectores, será aplicado aos moradores um questionário epidemiológico orientado. O SGB também distribuirá nessas cidades cartilhas informativas sobre o risco do radônio para a saúde e maneiras de prevenção.
Parcerias

Para o desenvolvimento dos estudos no âmbito nacional, o SGB conta com apoio dos municípios visitados e também dos professores e pesquisadores das seguintes instituições:

Laboratório de Radônio do IRD/CNEN;
Laboratório de Poços de Caldas (LAPOC/CNEN);
Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS);
Laboratório de Prospecção Geofísica Aplicada da Universidade Federal do Paraná (LPGA/UFPR);
Laboratório de Física Nuclear Aplicada da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR);
Universidade Federal do Amazonas (UFAM);
Instituto Nacional do Câncer (INCA);
Instituto Militar de Engenharia (IME);
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá (IFAP).

Por: Serviço Geológico do Brasil (SGB) – Edição: Yara Aquino

COMPARTILHAR

Related posts

Ministra anuncia criação da Autoridade Nacional de Segurança Climática

Redação

Regulamentado serviço de saneamento em região de vários municípios

Redação

Polícia Federal deflagra terceira fase da Operação Lesa Pátria

Redação

Deixe um comentário