Manaus Principais Notícias

Defensoria passa a atuar em todos presídios de Manaus, a partir de julho deste ano

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) vai prestar assistência jurídica em todas as unidades prisionais de Manaus, a partir do dia 10 de julho deste ano. É o que prevê o estudo de modelagem de cogestão compartilhada do sistema prisional, que vai instruir o novo processo licitatório que será lançado, em breve, pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Atualmente, os apenados recebem atendimentos jurídicos por meio das empresas que fazem a cogestão nas unidades prisionais. Com a aproximação do término dos contratos, o Governo do Amazonas, em comum acordo com a DPE-AM, definiu que os serviços serão feitos por defensores públicos. A medida tem como finalidade dar celeridade na análise de processos da população carcerária, além de reduzir custos.

“Nosso objetivo é realizar um trabalho de assistência jurídica dentro dos presídios que agilize o trâmite processual, colabore com a vida do apenado e, consequentemente, com toda a sociedade, para que, em sua plenitude, haja o justo cumprimento das penas”, disse o defensor geral, Rafael Barbosa. 

Hoje, a Defensoria Pública do Estado mantém duas salas em dois presídios (Centro de Detenção Provisória de Manaus – CDPM II e Penitenciária Feminina de Manaus- PFM) para prestar assistência jurídica aos apenados. Nas demais unidades prisionais, a DPE-AM não tem atuação fixa, mas atua por meio de mutirões.

“Desde quando iniciei minha gestão, em 2016, tinha um desejo pessoal e institucional de colocar a Defensoria para fazer seu trabalho dentro dos presídios”, acrescentou Barbosa. “Encontramos algumas dificuldades porque esses contratos de cogestão foram assinados anteriormente. Mas, a abertura que nos foi dada pela atual gestão estadual, e a mudança de filosofia na administração penitenciária, é histórica”, sustentou ele.

O secretário da Seap, tenente-coronel Vinícius Almeida, avalia que a atuação dos defensores públicos dentro das unidades prisionais atenderá ao anseio da sociedade. “Estamos avançando na busca da redução de custo e na formatação do novo modelo de cogestão do sistema penitenciário, atendendo a um antigo pleito da população. O atual governo assumiu o compromisso de dar mais transparência ao processo de contratação e pagamento”, afirmou.
Assessoria de Comunicação

COMPARTILHAR

Related posts

Ativista vem ao Brasil falar sobre direitos ambientais das crianças

Redação

Telessaúde UEA promove capacitação dos profissionais de saúde de comunidades de difícil acesso

Redação

Cinépolis reabre seu complexo no Manaus Plaza Shopping

Redação

Deixe um comentário