Manaus Principais Notícias

‘Óculos de camelôs’: o barato que pode sair muito caro

Dores de cabeça, imagens embaçadas, cansaço visual, tonturas e sonolência. Estes são apenas alguns dos sintomas que as pessoas que usam óculos sem receitas e comprados em camelôs, feiras e farmácias convivem diariamente.

Facilmente encontrados, estes produtos que chegam a custar até R$ 20 nas ruas de Manaus, funcionam apenas como lupas que auxiliam na visão de perto, uma vez que são confeccionados com lentes esféricas positivas e são totalmente ineficazes para pacientes míopes (que necessitam de lentes esféricas negativas) e astigmatas (que usam lentes cilíndricas).

De acordo com o médico oftalmologista do Hospital Nilton Lins (HNL), Thiago Monteiro, apesar de não contribuírem para o desenvolvimento de doenças estruturais nos olhos, como catarata e glaucoma, os óculos sem receitas provocam sérios distúrbios visuais e afetam diretamente na qualidade de vida de seus usuários.

“Esses óculos são feitos com o mesmo grau em ambas as lentes, mas cada caso é um caso, e nem sempre o paciente tem o mesmo grau nos dois olhos. São produtos padronizados que além de não fazerem a correção correta do problema, tem a qualidade da lente ruim”, explicou.

O especialista também acrescenta que o número de pacientes que buscam a assistência oftalmológica no HNL com sintomas provocados pelo uso frequente destes óculos tem aumentado nos últimos anos, apesar de muitos omitirem a informação na consulta.

“O perfil de usuários desses óculos são de adultos, em média a partir de 40 anos, que começam a ter sintomas de presbiopia (dificuldade para ler de perto) e que que não tem condições de comprar óculos com receita. Mas a cada ano, há uma piora na visão fisiológica e o uso contínuo e errado afeta a graduação que seria adequada para tratar o problema no futuro”.

Raios ultravioletas 

Para crianças, Monteiro alerta que os óculos sem receita não funcionam e podem piorar o erro refracional do paciente, além de provocar sintomas como dores de cabeça e o desenvolvimento do estrabismo.

Os óculos de sol adquiridos nas ruas, também muito consumidos pela população, também representam um risco para a saúde. De acordo com o especialista, eles criam uma falsa sensação de segurança, mas na verdade são nocivos, uma vez que não tem proteção contra os raios UVA/UVB e podem causar danos na córnea, cristalino e retina.

“Os óculos solares adequados são os polarizados com proteção contra os raios ultravioletas. Inclusive, se o paciente tiver algum tipo de grau, é possível confeccionar com a mesma receita do óculos normal o óculos solar”, acrescentou.

Os atendimentos oftalmológicos no Hospital Nilton Lins acontecem diariamente. Os agendamentos das consultas podem ser feitos pelo número de WhatsApp (92) 3643-2133 para pacientes particulares e também para portadores do planos Fusex e You Saúde. 

Fonte: Press Comunicação

COMPARTILHAR

Related posts

Hospital público de Rondônia fará transplante de tecido ósseo

Redação

PF combate desmatamento para criação de gado na floresta amazônica

Redação

Anvisa torna permanente entrega de remédio controlado em casa

Redação

Deixe um comentário