Manaus Principais Notícias

MORRE O MESTRE KLINGER ARAÚJO, O FURACÃO DO BOI

O coração de um dos mais populares artistas de boi bumbá parou nesta terça, dia 29 de setembro de 2020, por volta de 12h 

O coração de um dos mais populares artistas de boi bumbá parou nesta terça, dia 29 de setembro de 2020, por volta de 12h. Klinger Araújo, de 51 anos de idade, morreu em consequência de contaminação do coronavírus (covid-19). Ele estava internado em leito de UTI do hospital Samel desde o dia 13. Conforme informações de familiares, ele venceu a doença, mas teve complicações renais, uma das causas de sua morte.

O Furacão do Boi, ou simplesmente Mestre, como tratava as pessoas e como era conhecido entre os amigos, é considerado um dos responsáveis pela explosão da toada de Parintins em Manaus, na década de 90.

No fim dos anos 80, recém-chegado do interior e com passagem pela rádio Alvorada FM, que ajudou fundar em dezembro de 1986, na capital, locutor da rádio Difusora, após passagem pela rádio Cidade, Klinger conseguiu tocar em seu programa toadas que recebia de amigos que gravavam em Parintins os ensaios de Garantido e Caprichoso.

Àquela época, os bois ainda não haviam gravado nenhum disco, mas ele tocava fitas k7 gravadas sem qualidade.

Dessa experiência, nasce o cantor Klinger Araújo, até então locutor, imitador. Ele reúne a toada às habilidades que possuía e passa a se diferenciar dos demais cantadores de boi da época.

Com a filha Iandiara, no #Toadas

Imitações

Além de cantor, Klinger explorava a excelente veia de imitador e assim transformava suas apresentações em animado show. E foi assim durante todos os momentos de sua vida artística.

Como todos os imitadores, começou fazendo Sílvio Santos. Porém, já cantando e atuando nos palcos, passou a imitar outras famosos. Contudo, suas imitações preferidas eram Zezinho Corrêa e Nunes Filho. A essas performances adicionava maior empenho, dançando e cantando para ressaltar as principais marcas dos dois artistas amazonenses.

Nos últimos meses, apostando em show mais performático, Klinger se preparava para cantar a música “We are the world”.

Nesse show, imitava as vozes de 45 artistas norte-americanos que participaram da gravação original, em 1985.

Os ensaios para isso já haviam começado, mas foram interrompidos pela covid-19.

Família

Klinger Araújo sonhava ter uma família de artistas. Para tanto, colocou nos palcos, ainda com 5 anos de idade, o filho Klinger Júnior, que, já adulto, distanciou-se da música, dedicando-se a outras atividades.

Mas, o Mestre tanto insistiu que, no fim do ano passado, inscreveu o filho para participar da seleção para o Boi Manaus 2019.

O Júnior não apenas venceu a disputa, mas também acabou criando um problema para o pai. É que um de seus adversários na seleção foi justamente sua madrasta, a cantora Vanessa Alfaia.

Como legado, Klinger deixa também a promissora filha Iandiara, de 8 anos. Paizão, sempre dava um jeito de dar uma “canja” para a filha em seus shows.

No show em homenagem a Arlindo Júnior, no Teatro Amazonas, com sua inseparável flauta

Flauta

Outra paixão de Klinger era sua inseparável flauta. Para onde ia, ele levava o instrumento.

Entre as grandes apresentações que fez com a flauta, além das disputas na arena entre Caprichoso e Garantido, em Parintins, ficou marcada a de abril de 2017. Nessa data, sua apresentação na abertura do espetáculo Teatro da Vida foi um show à parte. Ao seu lado, o saudoso Arlindo Júnior, o grande homenageado da noite no Teatro Amazonas.

Idealizador e fundador do #Toadas

No fim de 2016, com o arrefecimento do movimento do ritmo dos bois-bumbás em Manaus, além da falta de renda para os artistas, Klinger começa a discutir a criação de um movimento para recolocar a toada no mercado.

Surge a ideia de comprar horário de rádio e TV. Todavia, sem recursos, a ideia evolui para a utilização da internet.

É nesse contexto, portanto, que nasce o #Toadas/BNC Amazonas. Na inauguração, no quintal do presidente do site, Klinger inaugura o vitorioso program com Neil Armstrong, Juliano Santana Petro Velho e Neuton Corrêa. Era o dia 31 de dezembro de 2016.

Klinger ainda participou de mais duas edições do programa, quando resolveu criar o seu próprio espaço nas redes sociais.

Dessa forma, deixou seu nome marcado na história do boi-bumbá. O nome de Klinger Araújo fica estampado em dois movimentos que fizeram a toada de boi ser tocada para os amantes do ritmo.

Além disso, todos que o conheceram vão sentir eternas saudades do seu espírito alegre, brincalhão, piadista.

Todos os integrantes do BNC Amazonas, na pessoa de seu presidente e de sua esposa, Darcilene Souza, onde Klinger e sua família tinham portas abertas, principalmente para deliciar a especialidade da casa, os peixes com pimenta, expressam votos de consolo aos seus familiares e amigos. Além da saudade, Klinger fará muita falta à festa em azul e vermelho.

Fonte e fotos : BNC Amazonas

COMPARTILHAR

Related posts

Anatel inicia testes para envio de mensagens com alerta de desastres

Redação

Jornalistas convidados para a I fesPIM conhecem processo de produção das fábricas do PIM e visitam Unidade de Conservação

Redação

Espetáculo de abertura do Amazonas Green Jazz Festival

Redação

Deixe um comentário