Brasil Principais Notícias

Com variação de 0,06% em fevereiro, preços da indústria voltam ao campo positivo

A queda de 1,42% no setor de alimentos impactou o resultado de fevereiro do Índice de Preços ao Produtor

Após três meses seguidos no campo negativo, os preços da indústria nacional variaram 0,06% na passagem de janeiro para fevereiro. Com esse resultado, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) acumula queda de 5,16% em 12 meses, o 12º ponto negativo nessa perspectiva. No ano, há variação acumulada de -0,18%, a primeira vez que esse indicador, em fevereiro, é negativo desde 2019 (-0,30%). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (02/04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Em fevereiro do ano passado, a variação frente ao mês anterior foi de -0,29%. Neste ano, o resultado mensal positivo foi disseminado por 14 das 24 atividades investigadas na pesquisa. Nesse lado positivo, os setores que mais contribuíram para o índice geral foram os de metalurgia (0,12 ponto percentual), indústrias extrativas (0,09 p.p.) e refino de petróleo e biocombustíveis (0,08 p.p.).

No entanto, o maior destaque foi o setor de alimentos (-1,42%), que, de forma geral, exerceu a maior influência sobre o índice nacional (-0,35 p.p.) O resultado dessa atividade foi impactado pela queda nos preços de produtos derivados da soja, do arroz e carnes de bovinos frescas.

“Houve a entrada da safra da soja e do arroz e um aumento do efetivo do gado para abate. Isso torna os preços mais baratos para a indústria”, explica o gerente de análise e metodologia do IBGE, Alexandre Brandão. “Se não fosse pelo resultado negativo do setor de alimentos, que pesa cerca de 25% da indústria, o índice teria crescido mais em fevereiro”, completa.

No setor de metalurgia, os preços subiram 2,03% frente a janeiro, terceiro resultado positivo seguido. Essa taxa foi a mais alta para a atividade desde maio de 2022 (2,05%). Na passagem de janeiro para fevereiro, as maiores influências para o aumento vieram dos produtos do grupo de metais não ferrosos, que vêm sendo atingidos por variações de câmbio e dos preços dos insumos.

“Houve aumento dos preços do minério de ferro, depois de ter registrado queda em um ambiente internacional muito hostil”, diz o gerente, que cita a depreciação do real frente ao dólar em fevereiro como um dos fatores que explicam a alta.

Já nas indústrias extrativas (1,79%), houve inflação pelo terceiro mês consecutivo. No ano, o setor acumula alta de 6,52%. “Nessa atividade, o Brasil acompanha o movimento dos preços no mercado internacional e eles vêm aumentando. A depreciação do real frente ao dólar intensifica isso ainda mais”, diz o gerente.

Por sua vez, no refino de petróleo e biocombustíveis (0,74%), a variação positiva foi influenciada, principalmente, pela alta no preço do álcool etílico. “Os produtos que mais pesam nessa atividade são os derivados do petróleo, como óleo diesel e gasolina, mas o maior impacto dessa vez veio do álcool etílico, em razão da dificuldade momentânea de moer cana-de-açúcar em certas áreas”, analisa.

Em fevereiro, as grandes categorias econômicas tiveram o seguinte comportamento: bens de capital (-1,05%); bens intermediários (0,12%); e bens de consumo (0,21%). Nessa última categoria, houve variação de 0,23% nos bens de consumo duráveis (BCD) e de 0,20% nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis (BCND).

Saiba mais sobre o IPP 

O IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, e sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no país. Trata-se de um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes, definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Cerca de 6 mil preços são coletados mensalmente. As tabelas completas do IPP estão disponíveis no Sidra . A próxima divulgação do IPP, referente a março, será em 30 de abril.

Por: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE)

COMPARTILHAR

Related posts

Amazonas transfere membros de facções para penitenciárias federais

Redação

Enfermagem ganha destaque no campo da gestão através do trabalho desempenhado pela Segeam no Amazonas

Redação

Rainha do Rock, Rita reivindicava o título de padroeira da liberdade

Redação

Deixe um comentário