Brasil Principais Notícias

Alice Felis, modelo trans espacada em seu apartamento no Rio: ‘Transfobia mata!’

Em agosto desse ano, a modelo trans Alice Felis, de 26 anos, foi brutalmente espancada dentro do seu apartamento no bairro de Copacabana, Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira, 14, foi ao ar uma entrevista em que ela fala sobre o ocorrido e como está sua recuperação. A modelo transexual foi submetida a uma cirurgia para extrair 12 dentes.

Alice Felis disse em entrevista a revista Quem, que apesar da tragédia, existem muitas pessoas a apoiando. “Tive muitas pessoas me apoiando, não só os famosos. Me senti muito acolhida, sim. Isso está me ajudando muito por sinal! Tive o apoio de Marília Mendonça, Felipe Neto, Pabllo Vittar, Glória Groove, Mc Mirella, Léo Áquilla. Estou tendo apoio de muita gente! Mas uma delas é a Preta Gil, que está me ajudando muito, me ajudando com hospedagem em São Paulo, sou muito grata a ela. Além do apoio emocional que ela continua me dando nas nossas conversas”, diz.

Ela conta que foi a primeira vez que passou por um episódio de violência como esse, sendo esse o primeiro que ela teve medo de morrer. “Assusta. Infelizmente, vivemos em um mundo que tem preconceito. Foi a primeira agressão que sofri. Nunca tinha passado por nada desse tipo. Nunca tive medo de morrer, mas no momento em que passei por essa agressão, tive. Quando acordei e vi todo aquele sangue, confesso que não sabia se eu estava viva ou se era um pesadelo. Espero que fique o exemplo de que a transfobia mata. Eu sobrevivi para contar a minha história, mas quantas se foram sem ter essa segunda chance?”, questiona.

Alice conta que ainda tem muitas sequelas do ocorrido, e que tem medo de ir, inclusive no supermercado. “Não consigo sair sozinha ainda, tenho medo até mesmo de pessoas se aproximando de mim, medo esse que não sei quando vai passar, não estou fazendo tratamento psicológico ainda, faço algumas terapias por enquanto, ainda sinto medo de sair de casa. Minha vida está começando a acontecer, estava juntando dinheiro para atualizar o meu book e tive que interromper isso”, lamenta.

Sem grandes oportunidades em razão do preconceito por ser uma mulher trans. “Tudo que sempre quis está acontecendo agora. Nos bastidores da moda, nós sempre estivemos presentes. Agora que as marcas começaram a nos colocar nas passarelas, a fazer capas de revista. Estão abrindo oportunidades para a diversidade. Mas ainda falta mais oportunidades remuneradas. Porém, acredito em mudanças. Um dia teremos um mundo melhor, com mais amor e oportunidades para todos”, finaliza.

Entenda o caso

Alice Felis usou seu perfil no Instagram para relatar a agressão que sofreu dentro do seu apartamento em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro. Em uma série de vídeos, a modelo diz que um homem invadiu o local, a agrediu, tentou esfaqueá-la e fugiu com cerca de R$ 3 mil.

“Veio, me bateu, tentou me esfaquear. Pedi para que ele não me esfaqueasse”, disse Alice. A modelo teve mandíbula, nariz e dentes quebrados. Ela mostrou ainda o apartamento completamente revirado e com muito sangue espalhado pelos cômodos.

“Ele levou o único dinheiro que eu tinha. Não tenho dinheiro para nada. E ainda me ameaçou dizendo que não era para eu ficar no Rio. Se ficasse, ia me matar de verdade”, conta a modelo trans.

A Polícia Civil investiga o caso e já ouviu o depoimento de Alice Felis. A modelo também fez exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML).

Publicado por Catraca Livre

COMPARTILHAR

Related posts

Manifestações antirracismo chegam à 7ª noite com EUA no limite

Redação

Aprenda a fazer um bolinho de fubá cremoso. Vai ser sucesso!

Redação

“Não virei sapatão porque meus pais são gays”, explica Ágata de Avenida Brasil

Redação

Deixe um comentário